SEM GRILHETAS NEM SENSURA

SEM GRILHETAS NEM SENSURA

NOTA:

NESTE BLOGUE, todos os títulos possuem hiperligação relacionada no YOUTUBE.

AOS AMANTES DO CONHECIMENTO E DA VERDADE OBJECTIVA

A TODOS AQUELES QUE GOSTAM DE VER E DE SABER PARA ALÉM DA SUBJECTIVIDADE E DA VERDADE OCULTA.

PESQUISAR NESTE BLOGUE

PORTAL DE AGOSTINHO DA SILVA

PORTAL DE AGOSTINHO DA SILVA
O FILOSOFO DE PORTUGAL

domingo, 11 de julho de 2010

AS BEBIDAS ALCOÓLICAS


AS BEBIDAS A SEREM SERVIDAS DURANTE UMA DEGUSTAÇÃO PODEM SER VÁRIAS, EXISTINDO AS MAIS INDICADAS, QUE SÃO:

ARMAGNAC: bebida destilada da uva. Guarda mais o sabor da uva. Muito similar ao Cognac pois trata-se da mesma bebida destilada apenas uma vez. A sua melhor procedência é da região de Cognac e Armagnac, na França;

COGNAC: bebida redestilada da uva, cuja melhor procedência também é a região de Cognac e Armagnac, em França. Assim como no caso dos charutos, um Cognac bem envelhecido acentua sua qualidade e sabor. Alguns Cognac são envelhecidos por até 70 anos. Grandes marcas são: Couvosier, Hennessy Paradis, Martell Extra e Remy Martin Louis XIII.
GRAPPA: bebida de origem italiana, muito forte e que tem como origem a uva. A Grappa deve ser bebida com moderação, podendo ser comparada à cachaça brasileira em termos de potencial para provocar uma rápida embriagues. Marc: quando as uvas são preparadas para a elaboração da Grappa, os fabricantes utilizam o subproduto restante para fazer a Marc, geralmente para consumo próprio familiar. Uma bebida bastante rara, portanto, se tiver oportunidade de apreciá-la durante uma degustação, aproveite.

PINGA: brasileiríssima pinga, ou cachaça, ou caninha ou uma infinidade de outros nomes e apelidos regionais, é um destilado da cana-de-açúcar e pode ser encontrada com uma variedade de colorações e qualidades. As boas pingas de alambique têm coloração amarelada e sabor suave apesar de serem bebidas de forte teor alcoólico.
RUM: bebida destilada do melaço do açúcar, cujas verdadeiras origem não são as Ilhas do Caribe, e sim a Ásia, onde a bebida já era produzida mil anos antes de Cristo. O Rum originário de Porto Rico é mais leve, enquanto os de origem de Barbados, Ilhas Virgens e Jamaica são mais fortes e de coloração mais escura. O rum é perfeito para acompanhar uma degustação de charutos. O degustador profissional de charuto toma um gole de rum entre um charuto e outro para limpar o palato bucal e preparar o paladar para um novo sabor de charuto.
Schnapps: chamada de "pinga alemã". Bebida forte, destilada e vendida geralmente em pequenas doses como míni garrafas de cerca de 60ml.

 TEQUILA: bebida de forte sabor, destilada de uma planta de origem mexicana, chamada Agave Tequilana Weber. Exóticas, algumas tequilas são vendidas com um pequena lagarta de nome Guzano, que repousa no fundo da garrafa.

VINHO DO PORTO: bebida fermentada na sua maior parte, com adição de destilados como Cognac. Grande tradição e temática de confrarias, o Vinho do Porto por si só representa um ritual de degustação e preparo. Os melhores vinhos do Porto vêm da Região de Vale Douro, em Portugal, onde os produtores fabricam o verdadeiro Porto, com selo de origem e controle anual de safras das vinhas locais chamadas de "quintas", qualificando-as de 0 a 10, sendo 10 a perfeição máxima da bebida. O envelhecimento do Porto pode levar até 50 anos, no caso de vinhos Vintage (especiais). Grandes marcas de Vinho do Porto são Croft, Fonseca e Quinta do Noval.
WHISKY: bebida muito conhecida em nossos círculos sociais, o Whisky, também chamado de "Scotch", é um belo parceiro e complemento para sua degustação. Será necessário encontrar dentro da grande variedade de sabores e aromas das inúmeras marcas existentes, o Whisky que mais lhe agrada com cada tipo de charuto a ser degustado. Na opinião de especialistas, os Whiskies são melhor apreciados ao natural, sem adição de água, gelo ou sodas, pois assim mantém suas propriedades originais de paladar e aroma. Os whiskies americanos, ou Bourbons, com malte e destilados de milho, também fazem um belo acompanhamento ao charuto. Origem do melhor Whisky: Escócia.

ABSINTO: A HISTÓRIA
O Absinto é uma bebida de história controvertida e passado romântico. Foi consumida e divulgada por grandes artistas do século XIX e XX como Paul Verlaine, Van Gogh, Henri de Toulouse-Lautrec, Monet, Gauguin, Degas, Rimbaud, Oscar Wilde e Ernest Hemingway, que estavam entre seus mais ardorosos fãs. Teve a sua maior popularidade durante o final do século XIX, na época mais boémia de Paris, quando o absinto era parte inseparável da vida artística e inspirou muitas pinturas e obras literárias. Naquela época acreditava-se que o absinto era grande afrodisíaco e potencializador da criatividade.  
Absinto é o nome abreviado da planta "Artemísia Absinthium, largamente usada na culinária e na farmácia desde a antiguidade, devido às suas benéficas funções digestivas. A bebida absinto é um destilado alcoólico das folhas e da parte superior de Artemisia absinthium e de outras plantas e ervas para aprimorar seu sabor, tais como os anis, funcho e hissopo. Em sua composição entram dois tipos de Artemisia (Artemisia absinthium e Artemisia pontica), dois tipos de anis, hissopo, funcho e outras especiarias e ervas aromáticas. No processo de destilação descartamos a primeira e última partes (cabeça e cauda) do líquido destilado. Estas partes contêm certos álcoois e substâncias indesejadas na bebida, causadoras de dor de cabeça. Para a preparação do Absinto, só utilizamos o coração da destilação, que nesta fase está com um teor alcoólico de 80%. Este coração já é uma bebida extremamente pura, pois seu álcool foi redestilado. Após adicionarmos alguns ingredientes especiais, abaixamos o teor alcoólico do coração para 54% com água pura. Logo após, filtramos e engarrafamos o Absinto.

Sem comentários: