SEM GRILHETAS NEM SENSURA

SEM GRILHETAS NEM SENSURA

NOTA:

NESTE BLOGUE, todos os títulos possuem hiperligação relacionada no YOUTUBE.

AOS AMANTES DO CONHECIMENTO E DA VERDADE OBJECTIVA

A TODOS AQUELES QUE GOSTAM DE VER E DE SABER PARA ALÉM DA SUBJECTIVIDADE E DA VERDADE OCULTA.

PESQUISAR NESTE BLOGUE

PORTAL DE AGOSTINHO DA SILVA

PORTAL DE AGOSTINHO DA SILVA
O FILOSOFO DE PORTUGAL

segunda-feira, 27 de junho de 2011

O IMPÉRIO MONGOL (vídeo)



Os Mongóis são um povo pertencente à família da língua altaica, tal como os Turcos e os Manchus, cujo local de origem se situa em torno do lago Baical situado no sul da Sibéria, Rússia, entre Oblast de Irkutsk no noroeste, e Buryatia no sudeste, perto de Irkutsk, com 636 km de comprimento e 80 km de largura, é o maior lago de água doce da Ásia, o maior em volume de água do mundo, o mais antigo (25 milhões de anos) e o mais profundo da terra, com 1680 metros de profundidade.


Os Mongóis ficaram conhecidos pela sua habilidade como arqueiros e cavaleiros, tendo forçado a construção da Grande Muralha da China por terem posto em causa a segurança do Império Chinês durante o século III a.C. Sabe-se que em meados do século XII existiam dois tipos de tribos mongóis: as do Norte, que viviam na taiga, em russo тайга́, também conhecida por floresta de coníferas siberiana, dedicavam-se à caça; e as do Sul, que habitavam a estepe das imediações do deserto de Gobi, em tribos nómadas, dedicavam-se à pastorícia.


Terá sido sob o comando de Temudjin, mais tarde Gengis Khan, o "cã dos cãs" (c. 1155/67 - 1227), que estes últimos vão-se reunir numa confederação (1206) cujo objectivo, ditado pelo "céu eterno", era a conquista do mundo em busca da paz. A conquista iniciou-se com a rendição dos nómadas Tangutos (1209) do Reino dos Si-Hia situado na região do Ordos e no Kan-Su, de etnia Tibetana e de religião Búdica, seguindo-se depois Pequim, em 1215. Voltando-se para Ocidente, os mongóis, neutralizam os estados da Ásia Central, entre os quais o sultanato turco de Khorezm (1221).


A sua fúria destruidora atacou também locais como Samarcanda, Balkh ou Bucara, chegando à Geórgia e ao Cáucaso (1221-22). Quando o seu líder morreu, Gengis Khan, em 1227, o Império Mongol estendia-se do mar Cáspio ao Norte da Índia à Manchúria.
A fulgurante ascensão do Império Mongol, que conseguiu a maior conquista territorial de todos os tempos, é em parte explicável pela sua organização exemplar a nível militar e administrativo.


Possuíam uma chancelaria imperial organizada e um serviço de correio que ligava os diferentes pontos do império, mesmo os mais distantes. Por outra parte, regiam-se por uma política de tolerância religiosa, estabelecida na Yasa, a grande lei mongol. As bases do império assentavam numa organização centralizada, passando cada população conquistada para o poder do chefe militar que o tinha feito.
A sucessão foi entregue a Ogedei, Ugedey ou Ugodei; foi o terceiro filho de Genghis Khan com a sua principal mulher, Borte Ujin.


Ogedei em 1229 sucedeu-o como o supremo governante do Império Mongol, o Khan, governando até à sua morte, em Dezembro de 1241. Muito embora Gengis Khan tenha dividido o império antes de morrer em apanágios ou cantos, que entregou aos seus quatro filhos (a). Ogedei sistematizou a política conquistadora fixando a capital do império em Karacorum. Partiu para a conquista do Médio Oriente, finalizando a submissão da Pérsia (1231) e destruindo o reino Tunguse do Norte da China (1234).


Mandou para ocidente Batu Khan, seu sobrinho, que, à frente de um exército de 150 mil homens, invadiu a Rússia, apoderando-se de Kiev ao bater as tropas do arquiduque Vladimiro (Dezembro 1240), tendo anteriormente submetido os búlgaros do Volga e aterrorizado todo o Nordeste da Rússia. Avançou sobre a Hungria chegando quase às portas de Viena. Esta invasão seria no entanto suspensa devido à notícia da morte de Ogedei, fazendo com que as tropas regressassem à Mongólia.


O período que se seguiu à morte do grande Khan foi de instabilidade política, tendo a regência sido assegurada por Toregene, viúva de Ogedei. Em 1246, tomou posse o seu filho, Guyuk que morreu passado dois anos passando a regência para as mãos da viúva, Oghul Qaimish. O reinado foi depois entregue a Mangu Khan (1251-1259), neto de Gengis Khan. O Império Mongol atingiu a sua máxima dimensão sob o seu reinado.


A ocidente, o seu irmão Hulagu, governador da Pérsia, conquistava o Iraque e a Síria, tomou Bagdade (1258), onde recebeu o apoio dos muçulmanos xiitas ao depor o califado abássida (sunita). O seu outro irmão encaminhou-se para a China, onde subjugou o império Song. A morte de Mongu Khan será decisiva no avanço mongol sobre a Europa pois foi o exército de Hulagu vencido pelos Mamelucos quando avançava para o Egipto, tendo que abandonar a Síria. No Século 13 o Tibete foi conquistado pelo império Mongol.


Foi durante esta mesma época que a Europa, através das movimentações do Rei de França, Filipe o Belo, de Eduardo I de Inglaterra e do papa Nicolau IV, tentou uma aliança com os Mongóis com vista a derrubar o Islão. Contudo, e devido à morte repentina de Mongka, as conversações não frutificaram.
O poder foi depois entregue a Kublai Khan (1260-1294), que teve que enfrentar a revolta do seu irmão Arik Boge, que se proclamara Khan em Karacorum.


Ao fim de cinco anos, Kublai derrotou o irmão e voltou-se definitivamente para a China, o que provocou a revolta dos Mongóis das estepes (1267), só definitivamente dominada por Tamerlão em 1301. O reinado de Kublai Khan pautou-se também por prosperidade económica uma vez que foi possível estabelecer contactos comerciais graças às regras precisas do direito internacional e comercial de Yasa.
A partir do reinado de Tamerlão o equilíbrio do Império Mongol foi seriamente afectado por conflitos entre a administração central e os canatos (ulus).


Por outro lado, cresceram os conflitos pelo abandono da tradicional neutralidade religiosa, havendo quem adoptasse a religião dos povos submetidos. Exemplo disso foi a conversão de Gengis Khan ao budismo, a conversão ao Islão do canato iraniano e a simpatia com a ortodoxia russa da Horda de Ouro. Ao misturarem-se com estes povos, os mongóis diluíram-se, pois representavam apenas 1% da população do império perdendo-se o sentido de comunidade que sempre havia sido a base da sua solidariedade e unidade imperial. Ao mesmo tempo, um período de fortes secas sucessivas acentuou o declínio político e económico de um povo que dependia dos cavalos como meio de locomoção, resultando no progressivo desaparecimento do poder mongol.


(a) Um estudo realizado em 2002 concluiu que 8% da população da região anteriormente ocupada pelo Império Mongol, uma área entre o oceano Pacífico e o Mar Cáspio, o que corresponde a 0,5% da população mundial, podem ser descendentes de Gengis Khan. Um outro estudo de 2007 afirma que 34,8% dos actuais mongóis são descendentes de Gengis Khan.