SEM GRILHETAS NEM SENSURA

SEM GRILHETAS NEM SENSURA

NOTA:

NESTE BLOGUE, todos os títulos possuem hiperligação relacionada no YOUTUBE.

AOS AMANTES DO CONHECIMENTO E DA VERDADE OBJECTIVA

A TODOS AQUELES QUE GOSTAM DE VER E DE SABER PARA ALÉM DA SUBJECTIVIDADE E DA VERDADE OCULTA.

PESQUISAR NESTE BLOGUE

PORTAL DE AGOSTINHO DA SILVA

PORTAL DE AGOSTINHO DA SILVA
O FILOSOFO DE PORTUGAL

terça-feira, 14 de setembro de 2010

CYRANO DE BERGERAC

CLICAR NO TÍTULO
Saviniano Hércules Cyrano de Bergerac, nasceu em Paris a de 6 de Março de 1619, passou a sua infância em Saint-Forget  (actualmente Yvelines). Estudou e viveu em Paris, quando não estava em campanha militar. Foi escritor e um hábil esgrimista de duelos que se tornou mais conhecido pelos muitos romances de ficção que têm sido feitos sobre a sua vida. Nessas histórias, ele é sempre retratado como possuidor de um grande nariz, em especial na peça escrita por Edmond Rostand, típica do romantismo da época, estreou-se com estrondoso sucesso em 1897, em Paris, no Théàtre de la Porte-Saint-Martin.


Somente em 1638 Cyrano, adiciona “de Bergerac” ao seu nome, inspirado nas terras que o seu pai, o Senhor Mauvières (Bergerac) e de Saint-Laurent teria possuído nos séculos XV e XVI. Cedo deixou a casa paterna e foi para Paris.

Foi contemporâneo de Nicolas Boileau e de Molière. Cyrano foi poeta e livre-pensador, assinava as suas obras com pseudónimos criativos escolhidos aleatoriamente. Foi um escritor de sucesso na sua época, e a sua primeira obra foi “Le pedant Joué” (O pedante enganado), que foi escrita para ridicularizar Jean Grangier, então seu professor de retórica.

Aos 20 anos, perdeu a pensão que recebia do pai, talvez, por se ter envolvido num duelo, do qual resultou a morte do seu opositor; entrando para o exército, junto ao Capitão Carbon de Casteljaloux na “Guerra dos Trinta Anos” que flagelou a Europa - católicos contra protestantes - entre os anos de 1618 a 1648 .

Supõe-se que Cyrano tenha participado em inúmeros duelos, em especial devido às brincadeiras que faziam com seu grande nariz. Teve dois ferimentos em combate, um deles deixou-lhe uma cicatriz na face, paralela ao nariz que era também motivo de escárnio e duelos. Destacou-se não apenas como escritor, mas também como ágil espadachim e soldado.

Em 1641 deixou o exército e escreveu as suas obras mais importantes: a peça “A Morte de Agripina”, mãe de Calígula e dois livros de ficção científica, interplanetária:  “Histoire comique des Estats et empires de la Lune" História Cómica dos Estados e Impérios da Lua e  “Histoire comique des Estats et empires du Soleil" História Cómica dos Estados e Impérios do Sol, entre 1642 e 1655. Tais livros foram publicados, após a sua morte, respectivamente, em 1657 e 1662 e descrevem jornadas ao Sol e à Lua.

Os métodos do voo especial que Cyrano descreve são criativos e reflectem o seu materialismo filosófico; no mesmo ano (1641) em que René Descartes,  " Meditações sobre Filosofia Primeira” é originalmente publicada. Cyrano viveu os períodos conturbados de Richelieu ministro de Louis XIII  (1624 a 1642) e do cardeal Giulio Mazarino, que sucedeu Richelieu em 1643.

Há especulações actuais de que Cyrano tinha um relacionamento homossexual. Crê-se que, por volta de 1640, ele começou um romance com Charles Coypeau d'Assoucy, um escritor, músico burlesco e poeta, relacionamento que parece ter terminado por volta de 1653, quando eles iniciaram uma amarga rivalidade.

Bergerac começou a enviar ameaças de morte a d’Assoucy, levando este a abandonar Paris. A questão é evidente numa série de textos satíricos escritos por ambos. Bergerac escreveu “Contre Soucidas”, um anagrama com o nome do seu inimigo e “Contre un ingrat”, enquanto d’Assoucy contra-atacou com “Le Combat de Cyrano de Bergerac avec le singe de Brioché au bout du Pont-Neuf”, A Batalha de Cyrano de Bergerac com o Macaco de Brioché sobre a Ponte Nove.

A personagem Roxane que a peça de Rostand apresenta, uma prima de Bergerac, que viveu com a sua tia, Catherine de Cyrano, num Convento das “Daughter of the Cross”, congregação católica, onde Bergerac foi atendido após ter sido atingido por uma viga de construção, é verdadeira. Na peça, Bergerac luta no cerco de Arras  (1640). Um dos companheiros de batalha foi o Barão de Neuvillette, que casou com a prima de Cyrano, contudo, a história da peça envolvendo Roxane e o barão Christian de Neuvillette é ficcional.

Cyrano adoeceu, de facto, em 1654, após ter sido ferido na cabeça por uma viga que caiu acidentalmente de uma construção sob a qual passava, e nunca mais recuperou completamente. Doente e pobre ficou sob a protecção do duque de Arpajon e posteriormente foi-lhe dado abrigo pela sua prima, a baronesa de Neuvillette, morrendo em Sannois, na casa do seu primo Pierre de Cyrano, em 1655, com 36 anos; está enterrado na mais célebre necrópole parisiense no Cemitério do Père-Lachaise.

A sua figura é um ícone num largo Municipal, como herói popular "Statue de cyrano dans le vieux Bergerac (aout 2008):

A última versão do filme com o título do seu nome “Cyrano de Bergerac”, cuja personagem foi magistralmente interpretada por Gérard Depardieu, retrata a história que se viveu em França. Recordando porem outras personagens do mesmo actor em “Os Três Mosqueteiros” e “O Homem da Máscara de Ferro”, romances históricos escritos pelo francês Alexandre Dumas, de ficção, da mesma época.

O MUNDO EUROPEU DO SÉC. XVII:
INGLATERRA

Sem comentários: