SEM GRILHETAS NEM SENSURA

SEM GRILHETAS NEM SENSURA

NOTA:

NESTE BLOGUE, todos os títulos possuem hiperligação relacionada no YOUTUBE.

AOS AMANTES DO CONHECIMENTO E DA VERDADE OBJECTIVA

A TODOS AQUELES QUE GOSTAM DE VER E DE SABER PARA ALÉM DA SUBJECTIVIDADE E DA VERDADE OCULTA.

PESQUISAR NESTE BLOGUE

PORTAL DE AGOSTINHO DA SILVA

PORTAL DE AGOSTINHO DA SILVA
O FILOSOFO DE PORTUGAL

quarta-feira, 9 de fevereiro de 2011

A DINASTIA TUDOR



Os Tudor foram uma dinastia de monarcas britânicos que reinou em Inglaterra entre o fim da Guerra das Rosas em 1485 e 1603.
A família Tudor tem a sua origem no século XII, com Ednyfed Fychan de Tregarnedd (1179-1246), mordomo-mor do Príncipe de Gwynedd, Llewelyn ap Iorwerth. O primogénito dos seus 12 filhos, Gorowny, teve um filho, Tudur Hem, conhecido posteriormente como “o velho”, que viveu de 1245 a 1311. Dele descendem os Tudor.
No início do século XV viveu Owain ou Owen Tudor (1400-1461), filho de Maredudd ou Meredith Tudor, que se casou com Catarina de Valois, filha do rei Carlos VI, o Louco, princesa de França e viúva de Henrique V de Inglaterra.

Desta união nasceu Edmundo Tudor, Conde de Richmond, que casou com Margarida Beaufort, neta de João de Gant, pais do rei Henrique VII de Inglaterra. A condição de Edmundo à data do seu nascimento era incerta, dado que os seus pais ou não eram casados ou o casamento era ilegal, uma vez que rainhas consortes estavam proibidas por lei de voltar a casar.
As pretensões de Henrique VII à coroa baseavam-se no facto de ser trineto do rei Eduardo III, embora por duvidosa via feminina, ilegítima. Para cimentar a sua posição, o primeiro soberano Tudor decidiu casar com a princesa Isabel, herdeira da Casa de York, filha do rei Eduardo IV e da sua consorte Isabel Woodville.

É também a única mulher na história de Inglaterra a ter sido filha, irmã, mulher e sobrinha de monarcas reinantes. Foi considerada uma das beldades do seu tempo.
A Dinastia Tudor governou a Inglaterra num período relativamente pacífico, depois da sucessão de guerras com a Escócia, da Guerra dos Cem Anos e da Guerra das Rosas. A economia e o comércio prosperaram apesar dos conflitos internos que marcaram o período, resultantes do repúdio da autoridade papal da Igreja Católica Romana e da fundação da Igreja de Inglaterra chefiada pelo próprio rei. Era o início dos movimentos protestantes, luteranos, na Europa.

Por altura do fim do reinado de Isabel I, a Rainha Virgem, dita Gloriana e Boa Rainha Bess, última monarca Tudor, a Inglaterra era uma das maiores potências navais europeias após a derrota naval espanhola denominada de Armada Invencível, poderosa frota com a qual Filipe II de Espanha, em 1588, tentou invadir a Inglaterra pelo Canal da Mancha.

Os Tudor foram sucedidos pela Casa de Stuart, a dinastia reinante de monarcas escoceses, depois de Isabel I morrer em 1603 sem descendência directa, sucedeu-lhe Jaime I, em inglês, James I; foi rei da Inglaterra e da Irlanda (1603-1625), sendo antes disso rei da Escócia, com o título de Jaime VI (1567-1625).

Sem comentários: