SEM GRILHETAS NEM SENSURA

SEM GRILHETAS NEM SENSURA

NOTA:

NESTE BLOGUE, todos os títulos possuem hiperligação relacionada no YOUTUBE.

AOS AMANTES DO CONHECIMENTO E DA VERDADE OBJECTIVA

A TODOS AQUELES QUE GOSTAM DE VER E DE SABER PARA ALÉM DA SUBJECTIVIDADE E DA VERDADE OCULTA.

PESQUISAR NESTE BLOGUE

PORTAL DE AGOSTINHO DA SILVA

PORTAL DE AGOSTINHO DA SILVA
O FILOSOFO DE PORTUGAL

quarta-feira, 17 de março de 2010

A USURPAÇÃO DE OLIVENÇA


A Usurpação:

No dia 20 de Maio de 1801, o exército espanhol, num acto de pura traição, tomou o concelho de Olivença, usurpando 750 km2 do território de Portugal, incluindo uma das suas vilas mais importantes:

A Vila de Olivença situa-se a Leste de Juromenha e a 12 km do Guadiana, ambas foram conquistadas pelos portugueses aos mouros, Olivença, pela primeira vez em 1166, por D. Afonso Henriques, O Conquistador (1º Rei de Portugal). O expansionismo do reino de Castela ameaçou desde logo a presença dos portugueses no lugar. A sua posse definitiva foi reconhecida em 1297, pelo Tratado de Alcañices, quando foram fixadas as fronteiras entre Portugal e Castela. Pressentindo o perigo que corria do lado de Castela, o rei D. Dinis, de cognome O Lavrador, mandou povoá-la e fortificou-a com o seu altaneiro castelo e cintura de muralhas (1298). Face às novas ameaças, D. Afonso V, O Africano (1438-81), mandou reparar as suas muralhas e ampliar a cerca amuralhada. O aumento da sua população tornava urgente esta medida. D. João II “O Principie Perfeito” concedeu-lhe um brasão de armas, e mandou erigir a torre de menagem no centro do castelo (1488). No reinado de D. Manuel I “O Venturoso” (1495-1521), reedificou-se toda a estrutura de defesa da vila, construindo-se uma ponte sobre o Guadiana, permitindo uma melhor ligação com Elvas. Durante mais de 600 Anos a sua população bateu-se contra as investidas de Castela e depois de Espanha (a partir de 1492) para preservar a sua identidade nacional. Essa usurpação ocorre num momento particularmente dramático para Portugal, dado que vivia sob a ameaça de uma invasão pelo exército francês. A Espanha aproveita-se da fragilidade de Portugal, e declara-lhe guerra e num acto de traição, pela força das armas, usurpando um território que não lhe pertencia, subjugando uma população indefesa.

VER: OS MEUS TEXTOS.

http://imigrantes.no.sapo.pt/page6.Olivenca5.html

http://porolivenca.blogs.sapo.pt/

http://pt.wikipedia.org/wiki/Olivença

Sem comentários: