SEM GRILHETAS NEM SENSURA

SEM GRILHETAS NEM SENSURA

NOTA:

NESTE BLOGUE, todos os títulos possuem hiperligação relacionada no YOUTUBE.

AOS AMANTES DO CONHECIMENTO E DA VERDADE OBJECTIVA

A TODOS AQUELES QUE GOSTAM DE VER E DE SABER PARA ALÉM DA SUBJECTIVIDADE E DA VERDADE OCULTA.

PESQUISAR NESTE BLOGUE

PORTAL DE AGOSTINHO DA SILVA

PORTAL DE AGOSTINHO DA SILVA
O FILOSOFO DE PORTUGAL

terça-feira, 9 de março de 2010

QUEM ÉS TU ROMEIRO…?!

Frei Luís de Sousa

Manuel de Sousa Coutinho, conhecido pelo nome eclesiástico de Frei Luís de Sousa, nasceu em Santarém no ano 1555 e faleceu em São Domingos de Benfica (Lisboa) no ano de 1632. Foi um sacerdote católico e escritor português, filho de Lopo de Sousa Coutinho, militar no tempo de D. João III e de D. Maria de Noronha, filha de D. Fernando de Noronha, Capitão de Azanor. Viajou pelas Índias Ocidentais e Orientais, onde foi feito prisioneiro de piratas, que o encarceraram em Argel, vindo a conhecer na prisão Miguel de Cervantes. Libertado em 1577, regressa a Portugal, tendo sido nomeado capitão-mor de Almada em 1579. Por entender que os regentes do Reino deveriam ficar junto das populações de Lisboa, assoladas pela peste, queimou a sua própria casa, que tinha sido requisitada para sede do Governo. Por forma a evitar dissabores, refugia-se em Espanha, onde continuou a prestar diversos serviços ao rei Filipe II de Espanha (I de Portugal), vivendo dois anos em Valência. Regressa a Portugal em 1583 e casa-se com Madalena de Vilhena, viúva de D. João de Portugal. Em 17 de Março de 1594 é feito fidalgo cavaleiro. Em 1600 é nomeado Capitão-Mor de Almada e seu Guarda-Mor da Saúde.

Após um período mais desconhecido, mas que se sabe que esteve na América do Sul, nomeadamente no Peru, decide em 1613, juntamente com a sua esposa abraçar a vida religiosa, ingressando no dominicano Convento de São Domingos de Benfica no dia 8 de Setembro de 1614 e a sua mulher, no Convento do Sacramento também em Lisboa.

Ao tornar-se frade, adopta o nome de Frei Luís de Sousa, dedicando-se inteiramente à escrita, nomeadamente à hagiografia e à monografia. Foi cronista-mor da sua ordem em Portugal, tendo viajado por diversos conventos, recolhendo materiais para completar a monumental obra «História de São Domingos» cujo esboço tinha sido iniciado por Frei Luís de Cácegas anos antes. É hoje considerado um dos mais brilhantes autores de língua portuguesa.

Outras obras da sua autoria:

Navigatio Antartica ad Doctorem Franciscum Guidum, civem Panamensem;

Vida de Don Frei Bartolomeu dos Mártires (1619);

Primeira Parte da História de S. Domingos (1623);

Segunda Parte da História de S. Domingos (1626);

Terceira Parte da História de S. Domingos (publicada em 1678 e tendo sido terminada por Fr. Luís de SoutoMayor);

Anais de el-Rei D. João III (escrito em 1628, apenas publicado em 1844);

Vida de Sóror Margarida do Sacramento:

Considerações das Lágrimas Que a Virgem N. Senhora Derramou na Sagrada Paixão(1643)

Vida do Beato Henrique Suso da Ordem dos Pregadores traduzida de latim em português (1642;


Sem comentários: